terça-feira, 31 de maio de 2011

Resultado do concurso cultural "Os Herdeiros dos Titãs"





Chegou ao fim o concurso cultural divulgado aqui e em mais quatro blogues cujas melhores frases levaria um exemplar do livro Os herdeiros dos Titãs. Após somar a média atribuída pelos os três jures os ganhadores foram os seguintes sortudos:


·         1º Lugar

NOME: Ricardo Michilizzi Junior
Resposta: Ficaria indignado, criaria uma comunidade no Orkut difamando a imagem da Rainha-Deusa com o título de "Eu ri...", posteriormente desativaria meu perfil, ficaria de luto pela minha ignorância e faria a tag #aRainhaDeusaÉumaFarsa chegar aos TTs WorldWide do Twitter para conscientizar aos desavisados de que estávamos sendo enganados todo esse tempo. Daria tão certo que eu poderia até participar do BBB no ano seguinte!
 Média final = 4,83 

·          2º Lugar

NOME: Daniel Reis
Resposta: Se a revelação do segredo da Rainha-Deusa representasse à nação qualquer ameaça de destruição e escravidão do povo por inimigos, que poderiam se aproveitar da moral baixa dos guerreiros, eu continuaria a sangrar e lutar em silêncio para garantir a segurança dos meus. Porém se não houvesse ameaça externa, eu lutaria pela verdade.
 Média final = 4,5 

·         3º Lugar

NOME: Luiz Fernando Espindola
Resposta: Informaria a todos os outros guerreiros sobre a farsa e iria averiguar o real motivo pelo qual a Rainha-Deusa faz isso... Estaria ela enfeitiçada?? 
  Média final = 4,4

·         4º Lugar (EMPATE)

NOME: Victor Rocha
Resposta: Sairia desta cidade, fundaria outra em homenagem ao homem comum, proibindo cultos ou qualquer outra ação de cunho teológico ou teocrático. Formaria um exército de homens livres e começaria uma caçada aos falsos Deuses, a começar pela Rainha-Deusa.
  Média final = 4,3


NOME:  Luiz Fernando Duarte Junior
Resposta:  O que é melhor? Viver a farsa ou morrer como mártir? Assim como acredito em "Veritas vos liberabit", também creio um pouco em "Não sou besta pra tirar onda de herói". Tentaria fazer algo, mas não a ponto de me sacrificar a menos que virasse algo pessoal.
  Média final = 4,3


Para aqueles que querem adquirir um exemplar do livro acessem o link: Editora Giostre ou Blog do autor 


Eu também ganhei um, já li e gostei pra caramba, a empolgação foi tanta que até fiz um fanart:





segunda-feira, 30 de maio de 2011

Três Selinhos



Esse fim de semana choveu selos para o blog  A Fantasista. Dois deles vieram da querida amiga Verônica, do blogue Brisa Noturna, um blogue encantador, tanto no design tanto no conteúdo. Um blogue criado por uma mente inteligente e criativa escrito para pessoas inteligentes e com sensibilidade. Valeu Verônica!





O terceiro veio da Yane Faria, minha querida one-chan, do blogue Vozes ao Vento, outro blogue encantador que mereceu muito bem a indicação do selo que ela está me passando por generosidade. Textos escritos por uma mente arguciosa para as facetas da realidade, transbordando de sensibilidade e emoção. Obrigada One-chan. ^^

Esse selo vem com o Meme que segue abaixo:

  1. Para você, o que faz seu blogue ser encantador?
Fácil, graças ao feitiço que lancei nele na primeira noite de lua cheia após criar o blogue. Haha!

  1. Link o blogue que lhe enviou o Meme e fale o que você acha dele:
Textos de leitura leve feitos para refletir e se emocionar, imagens belíssimas feitas para sonhar. Um canto que a sensibilidade e a beleza fazem de refúgio. 

  1. Repasse esse Meme para todos os blogues que você considera encantador.
Se dependesse da minha vontade a lista seria grande, entretanto nem todos gostam de selos e Memes como eu adoro, então vou deixar por livre e espontânea vontade dos meus amigos blogueiros. Os selos irão para aqueles que o quiserem, tanto esse quanto os outros dois. Dou toda liberdade para aqueles que o quiserem repassar.   


quinta-feira, 26 de maio de 2011

Resenha do livro "Os Herdeiros dos Titãs"


Imagine você ser apresentado a realidade de uma terra estranha, semi-inexplorada, uma terra que tem sua bagagem histórica, sua cultura própria, sua religião, sua política e em meio tudo isso seus próprios conflitos. Assim é embrenhar-se pelas páginas do livro Os herdeiros dos Titãs, ser apresentado a Grabatal, uma terra insólita, mas sedutora em suas peculiaridades. Uma terra mística, com seus problemas ambientais e conflitos políticos cercados por uma áurea instigante de mistério.
De primeira vista o livro já parece bem sedutor. A letra do titulo brilhando negra acima da ilustração dá vontade de passar o dedo. A bela ilustração da capa que condiz tão fielmente ao personagem retratado e seu destino na trama. As folhas em um amarelo miojo com motivos fitomorficos ornando o rodapé. Na ultima folha temos um mapa dessa terra fantástica que te ajuda ainda mais a se transportar para a história. Ainda sob essa visão superficial a única coisa que senti a falta foi uma resenha apresentando a história, não encontrada em lugar nenhum. O texto da capa não retrata nem um décimo do que guarda o livro e para vendas em livrarias, a meu ver isso parece ruim, sobretudo por que sou daquelas que sempre escolho um livro pela resenha da capa e imagino que mais pessoas devem fazer o mesmo.
Agora partindo para a história, logo o primeiro capitulo me deixou impressionada. Dentre produções nacionais eu nunca havia lido nada no estilo e fiquei super contente por achar uma joia igual entre os nossos nacionais. A impressão que me deu foi que estava diante de uma deliciosa iguaria que levava pitadas de um tempero à la Marion Zimmer Bradley (Série Darkover) e H. Rider Haggard (Ela - O Mistério no Coração da África), encorpada com o trabalho de uma árdua pesquisa histórica e uma criatividade impressionante.  
A história se passa na ilha-continente de Grabatal situada perto da Perlândia? O quê, a terra sagrada dos Vedas? Seria Grabatal a lendária Atlântida? Não se sabe. A ilha é governada por chefes militares chamados Bélis, que por sinal se vestem e se armam com indumentárias ornadas de um poderoso cristal, o sevaste, do qual conseguem aflorar dons prodigiosos durante a batalha, por sua vez todos esses Bélis estão sob o jugo da duvidosa deidade Quetabel, um personagem curioso e por isso mesmo muito bem construído.
A história começa apresentando as dramáticas lembranças de Téoder (de longe o meu personagem favorito na história), drama esse que gira em torno de um acontecimento que só vem a ser revelado de todo no final, aliás, fato responsável pelas cenas mais emocionantes do livro. Mas a trama não gira em volta apenas do Téoder, mas principalmente do jovem idealista Arion, seu filho. Um jovem ressentido com o pai, mas que parece ter herdado sua fibra de guerreiro. Após lutar por justiça em uma sociedade de valores degenerados Arion é obrigado a fugir de sua cidade natal, vivendo desde então uma vida errante entremeada de grandes aventuras e batalhas difíceis, mas também onde tem a oportunidade de conhecer o valor da amizade e também a chance de se desfazer de uma grande mágoa do passado. Arion é um personagem vivendo uma fase de descoberta, lidando com conflitos próprios a sua idade e a realidade em que vive. Um herói em formação cujo destino pode estar entrelaçado com o futuro da própria Grabatal.
A história tem suas particularidades, que embora sirva para deixá-la mais verossímil, dando bases firmes e coerentes ao enredo; muitas vezes acaba cansando o leitor, o deixando de inicio confuso diante de termos tão insólitos, como por exemplo, a nomenclatura dos meses, pontos cardeais, medidas de distancia, demora um pouco para o leitor se habituar. Porém quando acontecesse o efeito é como se tivéssemos uma realidade palpável diante dos olhos, rica em suas dimensões e o resultado é o desejo de fazer igual aos personagens, desbravar esse mundo insólito mergulhando em seus mistérios.
Inicialmente a história tem pouca ação, entremeando alguns fatos banais e corriqueiros a situações que venham a ter realmente algum peso na trama e talvez por esse motivo a leitura venha a parecer monótona de inicio. Mas apesar de algumas cenas serem pueris a história é bem tecida e os últimos capítulos nos apresentam a seriedade e maturidade que faltou em alguns trechos e que por sinal vem a ser compensatório a partir do momento em que a trama vai tomando vitalidade. Mistério, ação, emoção e tensão se misturam causando um efeito quase viciante ao leitor, que assim como aconteceu comigo termina a leitura ansioso pelo lançamento de “Em Busca de Glória”, segundo livro da duologia.  








quinta-feira, 5 de maio de 2011

A Antologia Contos Sem Classe Textos Sem Curso



Durante a minha vida de internauta tive o prazer de conhecer o Snake, uma das pessoas mais incríveis que já conheci, não só como pessoa, mas como escritor também. E em meio ao privilegio de sua amizade tive a chance de ser uma das leitoras betas de Asas Negras, por isso conheço muito bem sua escrita e é com satisfação que indico sua nova antologia, que aliás já era em tempo. Só não me agrada o nome. Contos sem classe é? é ruim hein!

São, ao todo, 10 contos que passam pelas várias vertentes da literatura ficcional, desde a ficção realista até ficção científica.

Prefácio da escritora Jossi Borges, que leu e revisou a obra.

Veja o livro na página do Clube de Autores e, se gostar não fique sem comprar.

http://clubedeautores.com.br/book/39370--Contos_Sem_Classe

Para quem prefere em formato Ebook, o  livro também está disponível no site:

http://www.4shared.com/document/vQNuRIsI/contos_sem_classe.html

Informações técnicas:

Número de páginas: 86

Peso: 176 gramas

Edição: 1(2011)

Acabamento da capa: Papel Couché 300g/m², 4x0, laminação fosca.

Acabamento do miolo: Papel offset 75g/m², 1x1, cadernos grampeados, A5, Preto e Branco.

Formato: Médio (140x210mm), brochura com orelhas.

Valor: R$ 25,83 (com zero de direitos autorais, para não encarecer ainda mais... dose!!)


Prefácio de Jossi Borges:

Dentro de uma seleção de contos tão variada, podemos sentir, de forma soberba, o estilo colorido e luminoso de Snake Eye’s. Em todos os seus trabalhos flutua de maneira quase palpável uma névoa delicada de lirismo, poesia e sentimentos, que se entrelaçam e dão relevo a cada linha e palavra, transformando seus contos, narrativas e mini-contos em viagens oníricas onde nossos corações são dominados e sujeitados à beleza das emoções. E são diversas essas emoções, são diversos os sentimentos, mas predominando sempre a emoção suscitada pelo inusitado e pelo original. Alegria, curiosidade, romantismo, lirismo, suspense, ternura, adrenalina. Não é fácil analisar a obra de Snake; não se pode resumir o que cada conto nos transmite, exceto se usarmos a palavra “emoção” como sinônimo de fantasia-magia-amor, como se essas três palavras fossem uma única.

Nesse belo trabalho, que reúne diversos temas nos quais ela tem trabalhado nos últimos meses – e que eu posso me gabar de conhecer, já que tenho o privilégio de ter lido muitos deles – temos exemplos perfeitos do que foi dito acima. Amor, lirismo e sensibilidade afloram no conto Amores Platônicos, onde ela descreve o amor não consumado como uma espécie de lição para os jovens e adultos que se deixam atrelar às convenções sociais estéreis. Gaiola Dourada, Morte Antiquada e Fogueira de São João e Seu Antônio tem o mesmo toque lírico, em que o amor, em qualquer de suas formas, é enaltecido, seja o amor pela vida, liberdade e natureza (Gaiola Dourada), o amor pelo trabalho e pelos objetos de valor afetivo (Morte Antiquada) e o amor pela família (Fogueira de São João e Seu Antônio).

O terror, gênero tão difundido e bem aceito, tem seu representante nesta coletânea, com os contos Demônios nas Sombras, Espuma Branca em Céu Azul e Vovô Coveiro. No primeiro, o suspense que cativa o leitor, um estremecimento de medo a cada linha, onde o impensável pode acontecer, e de fato, acontece. Espuma Branca em Céu Azul tem o tom poético entremeado de sugestivas impressões que levam o leitor, lentamente, ao desenlace súbito e assustador, mas de certa forma, muito realista. Vovô Coveiro é um mini-conto onde o terror nada tem de sobrenatural, mostrando uma dura realidade de nosso dia a dia. A ficção científica de Snake em seu representante no excelente conto Do Pó ao Pó. Uma maneira original de mostrar a FC brasileira, Snake inspirou-se nos mangás e na literatura japonesa de ficção, criando mundos pós ou pré-apocalípticos, onde a ciência e a magia se mesclam.

Em sua tríade Metamorfoses, a magia sobrenatural está presente, bem como o Amor, novamente representado em três formas distintas e igualmente belas: Casulo & Mortalha, o amor à natureza e o esplendor da vida que renasce nas asas da borboleta e do anjo; Momento Efêmero, o amor adolescente pela magia do mundo das fadas e entes sobrenaturais; e finalmente, em Crianças de Deus, o amor aos animais, representados pelos pombos, tão injustamente maltratados pelo seres humanos.

Foi um grande prazer ler essa coletânea de Snake, e um privilégio ser a sua prefaciadora. E, tenho certeza, ninguém ficará indiferente a tantas manifestações distintas das emoções mais profundas do coração humano, presentes nos belos contos aqui escritos.

Meus selinhos ^^

Meus selinhos ^^
Meus selinhos ^^